Aspirantes

  Dom Bosco disse: "O que somos é presente de Deus; no que nos transformamos é o nosso presente a Ele"

22 de set de 2010

Comunidade no jogo do XV de Piracicaba (25/8/2010)


No mês de agosto A comunidade São Domingos Sávio realizou um passeio no estadio do XV de Piracicaba.


O passeio foi significativo para a comunidade, onde tivemos um momento de alegria e descontração.


Ordenação Vinicios de Paula SDB (4/9/2010)

No dia 4 de Setembro do ano de 2010 toda a comunidade Salesiana, especialmente a Inspetoria Salesiana de São Paulo estavam em festa !!!


O Diacono Salesiano Vinicios foi ordenado Presbitero pela imposição das mãos do Bispo
salesiano Dom Hilário Moser.


Ordenação Douglas Verdi SDB (21/8/2010)

No dia 21 de agosto do ano de 2010 toda a comunidade Salesiana, especialmente a Inspetoria Salesiana de São Paulo estavam em festa !!!


O Diacono Salesiano Douglas Verdi foi ordenado Presbitero pela imposição das mãos do Bispo
salesiano Dom Irineu .

Mais fotos "Click Aqui"

Ordenação Paulo Emanuel SDB (7/8/2010)


No dia 7 de agosto do ano de 2010 toda a comunidade Salesiana, especialmente a Inspetoria Salesiana de São Paulo estavam em festa !!!


O Diacono Salesiano Paulo Manuel foi ordenado Presbitero pela imposição das mãos do Bispo
salesiano Dom Vilar.

José Calazans (Festa: 22/9)

Entre 1936 e 1939, a Espanha enfrentou dramática e sangrenta guerra civil: um conflito carregado de ásperos antagonismos ideológicos. Pagou a conta a Igreja espanhola, que, sobretudo por parte das forças dos anárquicos e dos milicianos, sofreu violenta perseguição.

Foram massacrados milhares de sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos, só por serem cristãos. Entre eles havia também numerosos membros da Família Salesiana: 39 sacerdotes, 22 clérigos, 24 coadjutores, 2 Filhas de Maria Auxiliadora, 4 salesianos cooperadores, 3 aspirantes salesianos e 1 colaborador leigo: 95 no total.

Deu-se início a três causas distintas de martírio, que depois se reduziram a duas: uma para o grupo de Valencia - 32 mártires -, tendo à frente padre José Calasanz; outra para os dois grupos de Sevilha e Madri - 63 mártires -, à frente, padre Henrique Saiz Aparicio. O primeiro grupo foi beatificado no dia 11 de março de 2001, com outros mártires da diocese de Valencia; o segundo grupo fei beatificado no dia 28 de outubro de 2007, com mártires - 435! - de várias dioceses da Espanha.

Padre José Calasanz Marqués (1872-1936) nasceu em Azanuy. Em 1886, em Sarriá, viu Dom Bosco já cansado e sofrendo. Tornou-se salesiano em 1890 e, cinco anos mais tarde, sacerdote. Foi secretário do Pe. Rinaldi e em seguida superior da inspetoria do Peru-Bolívia.

Voltando à Espanha, foi nomeado superior da inspetoria Tarragonense (Barcelona-Valencia). Homem de grande coração, muito trabalhador, desde o início se preocupou com a salvação dos seus irmãos. Capturado junto com outros salesianos enquanto presidia em Valencia o retiro espiritual, durante a viagem um tiro de fuzil na cabeça consumou seu martírio.

Eis a lista dos mártires salesianos. Todos foram sacrificados em 1936, menos um, em 1938 (entre parênteses, o ano de nascimento):

Sacerdotes: José Batalla Parrarnón (1873), José Bonet Nadal (1875), Jaime Bonet Nadal ([884), Antônio Martín Hernández (1885), Sérgio Cid Pazo (1886), João Martorell Soria ([889), Júlio [unyer Padern (1892), Ricardo de los Rios Fabregat (1893), Francisco Bandrés Sánchez (1896), [uliano Rodríguez Sánchez (1896), José Otín Aquilué (1901-1938), José Castell Camps (1901), José Giménez López (1904), Álvaro Sanjuán Canet (1908), José Ca selles Moncho (1907).

Irmãos salesianos (coadjutores): José Rabasa Bentanachs (1862), Ângelo Ramos Ve­lásquez (1876), Egídio Rodicio Rodicio (1888), Jaime Buch Canais (1889), Agostínho Car da Calvo (1905), Eliseu Carcía Garda (1907), Jaime Ortiz Alzueta (1913).

Clérigos: Miguel Domingo Cendra (1909), Félix Vivet Trabal (1911), Pedro Mesonero Rodríguez (1912), Felipe Hernández Martínez (1913), Zacarias Abadía Buesa (1913), Fran cisco Xavier Bordas Piferrer (1914).

Colaborador leigo: Alexandre Planas Saurí (1878).

Filhas de Maria Auxiliadora: Maria Carmem Moreno Benítez (1885, Vigária Inspetorial: foi diretora e confidente da Beata Eusébia Palomino, que lhe profetizou o mar mio), Maria Amparo Carbonell Muiíoz (1893).

JOÃO PAULO II EMITIU O DECRETO DE MARTÍRIO EM 20 DE DEZEMBRO DE 1999 BEATIFICOU-OS EM 11 DE MARÇO DE 2001.

FONTE: www.sdb.org

Niver Matheus (30/8/2010)

No dia 30 de Agosto a comunidade "São Domingos Sávio" estava em FESTA !!!

O Nosso querido irmão comemorou seus 17 anos de vida...

.Desejamos ao nosso querido irmão que Deus o abençoe para que ele continue ser um excelente companheiro,PARABÉNS !!!

Niver Renan (23/8/2010)

No dia 23 de Agosto a comunidade "São Domingos Sávio" estava em FESTA !!!

O Nosso querido irmão comemorou seus 17 anos de vida...

.Desejamos ao nosso querido irmão que Deus o abençoe para que ele continue ser um excelente companheiro,PARABÉNS !!!

Niver Ruan (3/7/2010)

No dia 3 de Agosto a comunidade "São Domingos Sávio" estava em FESTA !!!

O Nosso querido irmão comemorou seus 18 anos de vida...

.Desejamos ao nosso querido irmão que Deus o abençoe para que ele continue ser um excelente companheiro,PARABÉNS !!!

Niver Pe Martine (30/7/2010)

No dia 30 de Julho a comunidade "São Domingos Sávio" estava em FESTA !!!

O Nosso querido Padre Martini comemorou seus 84 anos de vida...

.Desejamos ao nosso querido Padre Confessor que Deus o abençoe para que ele continue ser um excelente companheiro e exemplo de Dom Bosco para nossas vidas, PARABÉNS !!!

Niver Welbert (29/6/2010)

No dia 29 de Junho a comunidade "São Domingos Sávio" estava em FESTA !!!

O Nosso querido irmão comemorou seus 17 anos de vida...

.Desejamos ao nosso querido irmão que Deus o abençoe para que ele continue ser um excelente companheiro,PARABÉNS !!!

Niver Juliano (30/6/2010)

No dia 30 de Junho a comunidade "são Domingos Sávio" estava em FESTA !!!
O Nosso querido irmão comemorou seus 17 anos de vida...
Desejamos ao nosso querido irmão que Deus o abençoe para que ele continue ser um excelente companheiro, PARABÉNS !!!

7 de set de 2010

Capítulo 2: Articulação da Juventude Salesiana

Dom Bosco e Maria Mazzarello deixaram como missão para seus seguidores trabalhar pela educação e evangelização da juventude, sobretudo aquela que se encontra em maior situação de perigo.

Para Dom Bosco, cada obra deveria ser casa que acolhe, escola que educa, paróquia que evangeliza e pátio onde todos se encontram como amigos.

Na fidelidade à tradição de amor e predileção de Dom Bosco e Madre Mazzarello aos jovens, em 1998 nasceu no Brasil a Articulação da Juventude Salesiana (AJS), durante o 2º Congresso Nacional de Lideranças Juvenis Salesianas. O termo “articulação” indica a concepção que sustenta e orienta a AJS, diferenciando-a dos movimentos juvenis “tradicionais”.

A AJS é fruto da vivência da tradição salesiana e da resposta atenta aos sinais dos tempos.

Presentes no Brasil há mais de 100 anos, os Salesianos de Dom Bosco e as Filhas de Maria Auxiliadora se organizam em Inspetorias (15 ao todo), com uma grande variedade de obras a serviço da juventude.

Vivendo os sinais dos tempos, em nossas presenças estão inúmeras experiências de grupos juvenis. Vários deles atuavam de maneira independente, isolada, dispersando forças, e muitas vezes sem apoio ou acompanhamento por parte dos salesianos e das irmãs. Por outro lado, o modelo de PJ nas obras não conseguia envolver a pluralidade de grupos existentes.

O que é AJS

AJS é uma rede de apoio mútuo e articulação entre os variados grupos de jovens, que se identificam com a espiritualidade juvenil salesiana e querem vivê-la. É um trabalho conjunto entre os Salesianos de Dom Bosco, Filhas de Maria Auxiliadora, toda a Família Salesiana e a juventude.

Características

· Articulação de grupos autônomos, que têm organização, metodologia e objetivos próprios.

· Está em sintonia com as orientações da PJ da Igreja do Brasil e se insere nas iniciativas da PJ local.

· Tem como inspiração sustentadora os valores e crenças da espiritualidade juvenil salesiana.

· Possui uma estrutura de organização que busca combinar a animação orgânica (em nível nacional, regional e local) com a autonomia de cada grupo.

Organização

A estrutura de organização da AJS pode variar de ambiente para ambiente, de situação para situação, porque é fundamental respeitar as diferenças e peculiaridades de cada realidade. Atualmente a AJS está organizada da seguinte maneira:

· Coordenação local (de obra ou presença). Formada por representantes dos grupos existentes em uma determinada obra ou presença. Sua função é animar e articular esses grupos.

· Coordenação regional. Como as áreas geográficas de cada inspetoria são normalmente muito extensas, são necessárias coordenações regionais, formadas por representantes de coordenações locais. Em geral, essas coordenações são interinspetoriais.

· Coordenação inspetorial/interinspetorial. Formada por representantes das diversas regiões da inspetoria, sendo em alguns lugares também interinspetorial.

· Coordenação Nacional da Pastoral Juvenil Salesiana. Composta por um salesiano e uma irmã de cada inspetoria, formam uma equipe nacional responsável pela animação da AJS em suas respectivas inspetorias, procurando refletir sobre ela em nível nacional e cuidar das ações em rede.

· Assessor. Não é membro do grupo, não está ligado a nenhum grupo, mas tem importância fundamental na vida dos grupos.

· Calendário de atividades. A agenda de atividades deve ser flexível, adaptada à realidade de cada grupo e região. Mas é importante haver eventos comuns, desde que essa agenda comum não atropele ou sufoque as iniciativas e atividades dos grupos.

O que se quer proporcionar

· Experiência dos valores da espiritualidade salesiana, conhecimento de Dom Bosco e de Maria Mazzarello, vivência das crenças e valores salesianos.

· Processo de crescimento humano e de formação da fé cristã com caráter educativo e missionário.

· Itinerário de formação desenvolvido dentro do grupo.

· Vivência das relações interpessoais e intergrupais, valorizando a diversidade e a identidade de cada um.

· Desenvolvimento de um processo organizativo pautado na participação e envolvimento dos jovens, leigos adultos e de toda a Família Salesiana.

· Desenvolvimento das potencialidades pessoais, convicções e valores.

· Oportunidade de inserção do jovem como membro ativo e atuante em seu ambiente, engajando-se em ações sociais, religiosas, de cidadania, dedicando parte de seu tempo à vivência de um ideal em favor do bem comum.

Onde acontece a AJS

A AJS promove a articulação de grupos, e não diretamente de pessoas. Não existe lugar específico para os grupos surgirem, serem dinamizados, acompanhados: dentro e fora de ambientes salesianos, e inclusive em locais onde não há presença salesiana direta.

Embora professe a fé cristã, a AJS está aberta a pessoas de outras confissões religiosas, valorizando o diálogo ecumênico e o enriquecimento mútuo.

A condição básica para um grupo pertencer à AJS é identificar-se com a espiritualidade juvenil salesiana, ter vivo estes cinco critérios:

· Nasci para ser feliz. Amo a vida, valorizo-a e cuido dela.

· Tenho um amigo, Jesus Cristo, filho de Maria. Ele é a minha referência.

· Tenho uma família, a Igreja, comunidade que partilha a fé, a esperança e o amor;

· Tenho um tesouro, a Eucaristia e a Reconciliação, sinais visíveis do amor de Deus por nós.

· Tenho um futuro. Eu vim para servir, “porque o Senhor nos colocou no mundo para os outros” (Dom Bosco).

Conseqüências práticas

· Estar atentos e comungamos com aquilo que a Igreja do Brasil orienta a respeito dos jovens.

· Propor grupos que atendam às necessidades dos diversos níveis de idade. Os grupos espontâneos podem ser envolvidos a partir de suas necessidades peculiares.

· Apesar de não haver um único itinerário formativo, os processos devem conter programas gradativos e continuados.

· Formar e qualificar continuamente os coordenadores de grupos e assessores da AJS.

· Cuidar particularmente dos grupos num processo formativo mais avançado, pois os jovens desses grupos manifestam interesses que vão além dos gostos pessoais e da satisfação imediata; estão imersos num processo formativo explícito e requerem acompanhamento especial.

· Filhas de Maria Auxiliadora e salesianos, responsáveis primeiros pela formação e qualificação dos jovens, devem estar também dentro de um processo permanente de formação e qualificação.

· Promover a circulação de material (subsídios, reflexões, informativos etc.) em todos os níveis (local, regional, inspetorial e interinspetorial) como possibilidade de troca de experiência e de formação conjunta, fortalecendo a articulação em rede.

FONTE: www.salesianos.com.br

O SISTEMA PREVENTIVO (Introdução)

“Dom Bosco realiza a sua santidade pessoal através do trabalho educativo” (João Paulo II, Carta Juvenum Patris, 5).

Brota dessa experiência a sua práxis pastoral e o seu estilo pedagógico. Vida espiritual, trabalho apostólico, método educativo são três aspectos de uma só realidade: o amor, a caridade pastoral que unifica e move toda a existência: ser na Igreja sinais e portadores do amor de Deus aos jovens.

“Este sistema apóia-se todo inteiro na razão, na religião e na amabilidade (amorevolezza)” (Dom Bosco)

Uma Metodologia Pedagógica (Pedagogia)

Uma Proposta de Evangelização Juvenil (Pastoral)

Uma Experiência Espiritual (Espiritualidade)

O Sistema Preventivo como pedagogia

O Sistema Preventivo é também uma metodologia pedagógica caracterizada:

· pela vontade de estar entre os jovens compartilhando sua vida, olhando com simpatia o seu mundo, atentos às suas verdadeiras exigências e valores;

· pela acolhida incondicionada que se faz força promocional e capacidade incansável de diálogo;

· pelo critério preventivo que crê na força do bem presente em todo jovem, também no mais carente, e procura desenvolvê-la mediante experiências positivas de bem;

· pela centralidade da razão, que se torna bom senso das exigências e das normas, flexibilidade e persuasão nas propostas. Da religião, entendida como desenvolvimento do sentido de Deus congênito a toda pessoa e esforço de evangelização cristã; da bondade, que se expressa como amor educativo que faz crescer e cria correspondência;

· por um ambiente positivo tecido de relações pessoais, vivificado pela presença amorosa e solidária, animadora e ativadora dos educadores e do protagonismo dos próprios jovens;

· com um estilo de animação, que crê nos recursos positivos do jovem.

O Sistema Preventivo como pastoral

Esta proposta original de evangelização juvenil parte do encontro com os jovens lá onde eles se encontrem, valorizando o patrimônio natural e sobrenatural que todo jovem traz em si, num ambiente educativo carregado de vida e rico de propostas; ele é atuado através de um caminho educativo que privilegia os últimos e os mais pobres; promove o desenvolvimento dos recursos positivos que têm, e propõe uma forma particular de vida cristã e de santidade juvenil.

Este projeto original de vida cristã é organizado ao redor de algumas experiências de fé, opções de valores e atitudes evangélicas, que constituem a Espiritualidade Juvenil Salesiana (EJS).

O Sistema Preventivo como espiritualidade

O Sistema Preventivo encontra sua fonte e centro na experiência da caridade de Deus, que antecede toda criatura com a sua Providência, acompanha-a com sua presença e salva-a dando a vida.

Essa experiência dispõe o educador a acolher a Deus nos jovens, convencido de que neles Deus lhe oferece a graça do encontro com Ele, chamando-o a servi-lo neles, reconhecendo a sua dignidade, renovando a confiança em seus recursos de bem e educando-os à plenitude da vida.

A caridade pastoral cria uma relação educativa na medida do adolescente e do adolescente pobre, fruto da convicção de que qualquer vida, mesmo a mais pobre, complexa e precária, traz em si, pela presença misteriosa do Espírito, a força do resgate e a semente da felicidade.

FONTE: www.salesianos.org.br

Zeferino Namucurá (Festa:26/8)

Zeferino Namuncurá nasceu no dia 26 de agosto de 1886 em Chimpay, às margens do rio Negro, Argentina. Três anos antes, Manuel, seu pai, último grande cacique das tribos de índios Araucanos, tinha sido obrigado a se entregar às tropas federais.

Após onze anos de vida livre e agreste, Manuel Namuncurá man­dou Zeferino estudar em Buenos Aires, para que no futuro pudesse defender sua raça. O clima de família que se respirava no colégio salesiano fez que ele se encantasse com Dom Bosco. Cresceu nele a dimensão espiritual e começou a desejar ser salesiano sacerdote para evangelizar seu povo.

Escolheu Domingos Sávio como modelo e, durante cinco anos, fez um esforço extraordinário para inserir-se numa cultura total­mente nova. Ele mesmo foi outro Domingos Sávio. Exemplar era seu empenho na piedade, na caridade, nos deveres de cada dia, no exercício ascético.

Esse rapaz, que tinha dificuldade em "pôr-se na fila" ou em "obedecer ao sino", tornou-se pouco a pouco um verdadeiro mode­lo. Como queria Dom Bosco, era perfeito no cumprimento dos seus deveres de estudo e de oração. Nos divertimentos, os colegas o que­riam como árbitro: sua palavra tirava qualquer dúvida e encerra­va qualquer discussão.

Impressionava a calma com que fazia o sinal-da-cruz, como se estivesse meditando palavra por palavra; com seu exemplo, corrigia os colegas, ensinando-lhes a fazê-Ia com calma e devoção.

Em 1903 (Zeferino estava com 16 anos e meio, seu pai foi batizado aos 80), D. João Cagliero o aceitou no grupo dos aspirantes em Vied­ma, centro do Vicariato apostólico, para começar a estudar latim. Por causa de sua saúde frágil, o bispo salesiano decidiu levá-Ia à Itália para prosseguir os estudos de modo mais sólido e num clima que lhe parecia ser mais conveniente.

Na Itália, encontrou Pe. Miguel Rua e o Papa Pio X, que o aben­çoou comovido. Freqüentou a escola em Turim e, em seguida, o colé­gio salesiano de Villa Sara, em Frascati. Estudou com tanto afinco que se tornou o segundo da classe.

A tuberculose, porém, minava sua saúde. No dia 28 de março de 1905 foi levado para o Hospital Fatebenefratelli da Ilha Tiberina, em Roma, onde morreu serenamente no dia 11 de maio do mesmo ano. Desde 1924, seus restos mortais repousam em sua pátria, em Fortín Mercedes, onde multidões de peregrinos acorrem para venerá-Ia.


JOÃO PAULO II DECLAROU-O VENERÁVEL EM 22 DE JUNHO110 DE 1972

BENTO XVI BEATIFICOU-O EM 11 DE NOVEMBRO DE 2007.

FONTE: www.salesianos.org

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...